Vale a pena pagar mais e viajar na Classe Econômica Premium?

17/01/2018

Acima, imagem da bonita cabine da Econômica Premium da Air Canada.

Não, você não está crescendo de tamanho com o passar dos anos. O espaço é que está diminuindo...principalmente na Classe Econômica! A cada ano que passa as empresas dão um jeito de apertar mais um pouquinho....

---------------------------------------------------------------------------

Lembro-me bem do espaço e conforto generosos dos saudosos Electra que por tantos anos serviram a ponte-aérea Rio-São Paulo. Mas não só eles, a maioria dos outros aviões da época tinham também uma configuração que oferecia níveis de conforto bastante aceitáveis nesta classe mais "econômica". Uma viagem à Europa no DC-10 da VARIG, por exemplo, era garantia de conforto e ótimos serviços. Na Econômica!

Hoje, porém (e infelizmente para nós, passageiros), esse quadro mudou completamente.

Classe Econômica, sobretudo em vôos de longa duração, virou sinônimo de sofrimento, serviços ruins e muito, muito aperto!

As empresas oferecem telas individuais de entretenimento, conexão wi-fi, tomada para laptop, iluminação em led com diversas intensidades e tonalidades, entre outras maravilhas da tecnologia. Mas e o espaço e o conforto? Esqueça!

Em busca de receitas, as empresas investem em poltronas cada vez mais finas e configurações cada vez mais apertadas. Elas buscam, claro, transportar mais e mais passageiros!

O Boeing 747, por exemplo, trazia uma configuração de 3 assentos na lateral, 4 no centro e 2 na outra lateral, totalizando 9 assentos por fila. Anos mais tarde, o padrão virou 3-4-3, ou seja, 10 assentos por fila. Nos aviões mais modernos, aconteceu o mesmo. Um bom exemplo é o Boeing 777, que quando começou a voar, trazia uma configuração de 9 assentos por fila (configuração 3-3-3). Hoje porém, são poucas as cias. aéreas que ainda voam assim - a maioria delas coloca 10 assentos por fila no 777 (configuração 3-4-3). Um último exemplo: o Boeing 787 Dreamliner, de novíssima geração. Em seu projeto, a Classe Econômica teria 8 assentos por fila ( 2-4-2 ) mas as empresas que operam o modelo oferecem hoje 9 assentos por fila ( 3-3-3 ).

Com a Classe Econômica cada vez mais apertada, a Econômica Premium passou a ser uma opção muito válida para uma viagem um pouco mais agradável.

Ao mesmo tempo em que apertavam cada vez mais seus passageiros de Classe Econômica, algumas empresas aéreas acabaram criando uma nova classe, intermediária entre a Econômica e a Executiva.

A chamada Classe Econômica Premium surgiu do interesse que muitos passageiros tinham por um pouco mais de espaço, pagando um pequeno diferencial por ele. Mas sem que para isso tivessem de gastar horrores para voar na Executiva (esta sim, cada dia mais confortável e privativa).

As empresas logo detectaram essa demanda, fizeram as contas e pronto, lançaram este novo produto. Hoje muitas delas oferecem esta classe intermediária.

Mas vale a pena?

Depende. Se for fazer um voo muito longo, vale sim.

Ainda mais se você for alto e/ou mais gordinho. Enquanto que em uma Classe Econômica a distância entre uma fila e outra de assentos varia de 30 a 32 polegadas, na Classe Econômica Premium ela passa a ser de 37 a 40 polegadas. Parece pouco, mas faz sim uma baita diferença!

Já com relação à largura dos assentos, ela é de cerca de 17 polegadas na Econômica, e de cerca de 18,5 na Premium. Parece pouco também, mas faz igualmente uma boa diferença!

Em um Boeing 777, por exemplo, onde a configuração adotada pelas empresas aéreas na Econômica "normal" costuma ser de 10 assentos por fila ( 3-4-3 ), a Econômica Premium tem 8 assentos (2-4-2), ou seja, dois a menos!

Detalhe da Premium Economy da australiana Qantas,
eleita em 2017 a melhor do mundo.

A British Airways chama sua classe intermediária de World Traveller Plus. Abaixo, detalhe da cabine em um Boeing 787 Dreamliner da empresa.

Alguns centímetros a mais de espaço são suficientes para permitir que o passageiro cruze as pernas, por exemplo, ou trabalhe em seu notebook
(coisas impensadas na Econômica "normal").

Detalhe da chamada classe "Turista Premium" da IBERIA, lançada recentemente. Note o apoio regulável para cabeça e pernas, e o espaço maior entre as fileiras.

Além de disponibilizar mais espaço e assentos mais largos, esta nova classe intermediária costuma oferecer alguns outros pequenos mimos aos seus passageiros, como uma maior reclinação (mas não espere nada demais, você continuará tendo de dormir sentado), apoio regulável para pernas e pés, e braços dos assentos mais largos (na Econômica "normal" é sempre aquela luta para ver quem conquista primeiro este espaço e consegue colocar seu cotovelo nele).

Em algumas companhias, oferece também um serviço de bordo um pouco mais esmerado, com welcome drink, pratos mais elaborados e até kit de nécessaire. Seus passageiros costumam também ganhar algum pequeno bônus no programa de milhagem, além de balcões exclusivos de check-in e prioridade no embarque e desembarque...todos esses fatores, somados, tornam este um produto bastante atraente.

Refeições mais elaboradas são outro atrativo oferecido por algumas empresas, como a Qantas, em sua Classe Econômica Premium.

Detalhe da refeição servida pela Air Canada em sua Econômica Premium.

Balcão exclusivo para check-in dos passageiros
de Premium Economy da Singapore Airlines.

Kit de necessaire da Air France para sua classe intermediária

Welcome drink

E quando não vale a pena?

Quando o voo não é muito longo (em vôos de até 4, 5 horas dá para encarar a Econômica "normal") ou quando a diferença de preço para a Econômica Premium for muito grande.

Vamos então falar de preço? Afinal, quanto a mais custa viajar na Econômica Premium?

Veja alguns exemplos (valores abaixo não incluem taxas nem outros adicionais, como por exemplo para reserva antecipada de assentos. Foram calculados no dia 17/01/2018 e estão obviamente sujeitos a alterações e disponibilidade):

São Paulo-Londres-São Paulo, em abril, na British Airways
Classe Econômica: US$ 999
Classe Econômica Premium: US$ 1.249

São Paulo-Frankfurt-São Paulo, em abril, na Lufthansa
Classe Econômica: R$ 3.631
Classe Econômica Premium: US$ 6.370

São Paulo-Roma-São Paulo, em abril, na Alitalia
Classe Econômica: R$ 3.608
Classe Econômica Premium: US$ 5.528

São Paulo-Paris-São Paulo, em abril, na Air France
Classe Econômica: R$ 3.471
Classe Econômica Premium: US$ 6.248

Como se vê, nesta rápida pesquisa acima, a opção da British Airways se torna bastante válida, pois a diferença de preços entre as classes não é tão alta. Na Alitalia, com muito boa vontade, quem sabe....rssss....nas duas outras opções pesquisadas, o preço da Premium é quase que o dobro da Econômica e eu, pessoalmente, não optaria. Mas aí vai do gosto e do orçamento de cada um, não é verdade?

Confira abaixo as empresas aéreas que fazem vôos do Brasil para o exterior e que oferecem a Econômica Premium: British Airways, Iberia (em breve), Air France, Alitalia, Air Canada, American Airlines (em algumas aeronaves).

Para alguns o preço mais alto compensa.
Aqui, e Econômica Premium da Lufthansa 

Algumas cias, como a Air France (foto abaixo), equiparam sua Premium Economy com assentos que, ao reclinados, não incomodam os passageiros da fileira de trás (pois ao reclinar, o assento desliza para frente, e não para trás).
Note na imagem que a parte traseira da poltrona é fixa.

Algumas companhias aéreas preferem não oferecer uma classe intermediária completa, e adotam o que podemos chamar de Classe Econômica Comfort, onde algumas fileiras da Classe Econômica (normalmente nas primeiras filas) tem um espaço maior entre as fileiras. Mas a largura e o numero de assentos por fila, assim como o serviço de bordo, são idênticos ao da Econômica padrão. Ou seja, paga-se a mais apenas pelo maior espaço para as pernas.

Dentre as empresas que oferecem este tipo de produto, no Brasil, estão a KLM, United e LATAM (em alguns aviões). Veja abaixo um comparativo de preço.

São Paulo-Amsterdã-São Paulo, em abril, na KLM
Classe Econômica: R$ 3.849
Custo extra para reservar um assento com mais espaço: R$ 938 (ida e volta)
* para reservar um assento padrão de Classe Econômica, o custo extra é de R$ 156 (ida e volta)

Abaixo, anúncio da KLM promovendo sua "Comfort Class"(e mais abaixo imagem da cabine). Os assentos são os mesmos da Classe Econômica - a única diferença é que possuem mais espaço para as pernas.

Outras empresas preferiram não adotar este novo modelo e seguem ofertando apenas as tradicionais Classe Econômica, Executiva e Primeira Classe (esta última, por sinal, oferecida por cada vez menos empresas). Dentre elas, que operam no Brasil, podemos citar a Emirates, Qatar Airways, Turkish Airlines, South African Airways, Royal Air Maroc, Ethiopian Airlines, Air Europa, Swiss e Tap.

Para finalizar esse assunto, relaciono abaixo as empresas que oferecem a melhor Classe Econômica Premium da indústria, de acordo com a premiação Skytrax 2017 (o "Oscar" da aviação).

1º lugar: Qantas
2º lugar: Air New Zeland
3º lugar: Lufthansa
4º lugar: Singapore Airlines
5º lugar: Air France
6º lugar: Japan Airlines
7º lugar: Virgin Australia
8º lugar: Aeroflot
9º lugar: All Nippon Airways
10º lugar: EVA Air