Vai ter novidade nos céus do Brasil

30/07/2018

A informação é do site Aeroin.net e, se confirmada, promete agitar o mercado. 

De acordo com a página especializada em aviação, "A ANAC confirmou que a Norwegian Air solicitou frequências para voos entre a Europa e o Brasil. A solicitação é o primeiro passo para iniciar os voos e, se autorizada, será publicada no Diário Oficial da União. Agora a Agência tem 120 dias para analisar o pedido. Caso aprovado, a Norwegian poderá solicitar via SIROS os voos específicos com rotas e horários, além de poder comercializar a passagem. "


A empresa norueguesa opera no esquema low-cost-low-fare oferecendo tarifas muito baratas em suas diversas rotas (e quando dizemos muito baratas, são MUITO mesmo, bem abaixo da média de preços do mercado). Em compensação, oferece um serviço bem básico onde todos os extras são cobrados a parte, como despacho de bagagem, refeição e marcação de assentos. 

Com base operacional não apenas na Noruega, como também em diversos outros países europeus, como Espanha (Barcelona), Inglaterra (Londres), Dinamarca (Copenhagen), Suécia (Estocolmo), França (Paris) e Itália (Roma), e inclusive bases em outros continentes, como mais recentemente na Argentina (Buenos Aires), a Norwegian Air costuma incomodar muito as concorrentes mais tradicionais e que operam com full service (serviços completos).  

Além de uma agressiva política de preços e de marketing, a Norwegian Air tem como outra característica operar uma moderna frota de aeronaves, com destaque para os novos Boeing 787 Dreamliner (para voos intercontinentais) e Boeing 737Max (para voos regionais).

A expectativa é que a primeira rota solicitada ligue o aeroporto londrino de Gatwick à São Paulo ou Rio de Janeiro (a primeira rota na filial argentina, por exemplo, foi Gatwick-Buenos Aires). Isto afetaria, num primeiro momento, LATAM e British Airways, únicas que voam hoje direto entre o Brasil e a Inglaterra. Mas não apenas elas, pois contando com uma forte base de distribuição de voos na Europa, ela certamente "roubaria" muitos passageiros de diversas outras cias. aéreas que ligam o Brasil a este continente.

E mais. Na Argentina, por exemplo, a empresa não restringirá suas operações aos voos para a Europa...não, ela vai ter também uma forte operação doméstica e regional ligando a Argentina a países vizinhos, incluindo o Brasil. 

E quem garante que ela também não decida fincar pés no nosso país para se estabelecer em rotas domésticas por aqui? Aliás, se isso vier a acontecer, será uma ótima notícia para o passageiro brasileiro. 

Passaríamos a ter uma empresa agressiva e verdadeiramente low-cost-low-fare no Brasil, uma vez que as empresas "nacionais" (coloco entre aspas pois a LATAM, por exemplo, sabemos ser chilena), tem operado cada vez mais no sistema low-cost (com serviços que se tornam mais e mais deprimentes), mas cada vez menos low-fare (seguem cobrando tarifas altas, apesar de serviços limitados e muito ruins, incluindo aí, por exemplo, cobrança por bagagem despachada)

Uma empresa como a Norwegian Air traria competição de verdade e agitaria fortemente o mercado, obrigando as "nacionais" a se mexerem, seja na melhora dos serviços, seja principalmente na redução das tarifas.

Aguardemos! E fazendo figas! Venha Norwegian, venha com tudo!