O "Louco do Copam" e outros causos

09/02/2018

O louco do Copam! Esse personagem tão peculiar virou uma lenda para muitos que, como eu, trabalharam na loja da VARIG, na Rua da Consolação, 368. Hoje vou falar um pouco sobre esse e outros causos...

Como aficionado por aviões, desde pequeno, e depois também por uma empresa aérea (a VARIG), fiquei por muito tempo desejando trabalhar nela. 

Desde pequeno mantive sempre uma relação de admiração e amor
por essa empresa. E o sonho de um dia trabalhar nela...

Até quando fiz a faculdade no Mackenzie (Desenho Industrial/projeto de produto), curso aparentemente sem qualquer ligação com a aviação, segui mantendo esse ideal...."um dia vou trabalhar na VARIG"...quem sabe aplicando meus conhecimentos na área de desgin de produtos...ou quem sabe...em qualquer outra área....o importante é fazer parte de sua equipe.

Me formei e por algum tempo bati na porta da empresa a procura da tão sonhada vaga. Surgiu uma oportunidade, passei nos testes mas, logo em seguida, a vaga foi suspensa. Não desisti e assim que surgiu nova oportunidade, fui lá de novo...fiz os testes, passei de novo e...bingo...dessa vez deu certo (era setembro de 1994).

A vaga? Pouco importava naquela altura para o que era....mas era para agente de loja. E com todo o entusiasmo lá fui eu, trabalhar como atendente na loja de passagens da VARIG, na Rua da Consolação. Uma loja linda, enorme! Desde criança eu passava em frente e ficava contemplando a grande maquete de um DC-10, exposta na sua "vitrine". E agora eu estava lá, do lado de dentro, com o tão sonhado uniforme da "pioneira".

Foto da minha turma de formação profissional de agente de lojas, em 1994.
Ao centro, o grande mestre Valmir!!! E olha o tamanho do monitor do computador...definitivamente, velhos temos..rssss

Trabalhei na loja por pouco mais de um ano, até ser convidado para integrar a equipe comercial da empresa (por onde fiquei por quase 11 anos, atuando mais tarde na área de apoio a vendas e de comunicação com o trade). 

Apesar de curto, foi um período muito intenso e de grandes aprendizados, o qual guardo com especial carinho em meu coração.

Quando "subi" para a área comercial, trabalhei na "retaguarda", digamos assim....mas no curto período que estive na loja, me senti "mais VARIG" do que nunca, pois estava constantemente em contato direto com seus clientes, prestando o melhor serviço possível para que estes tivessem, sempre, uma ótima impressão da "nossa empresa" (quem nunca trabalhou lá talvez estranhe tanto "compromisso", mas na VARIG era assim, seus colaboradores eram apaixonados e vestiam a camisa!).

Com uma equipe prá lá de especial, comandada pelo brilhante e saudoso Gouveia, vivemos muitas emoções naquela loja. Boas e ruins, como tudo na vida! 

A "Consolação" era a maior loja da VARIG e, portanto, a de maior movimento (tirando talvez a loja do aeroporto). A "pressão" era sempre muito grande - tinha vezes que formava grande fila de clientes, apesar das mais de 20 estações de atendimento. Mas agente dava conta do recado, modéstia a parte...rsss...

Esse é o prédio onde ficava a loja (no térreo, com a área frontal toda de vidro)
e onde ficavam também diversos escritórios da VARIG (se não me engano,
do 1º ao 6º andares). Infelizmente não encontrei foto daquele época,
com a fachada toda identificada com a marca da empresa.

Com tanto movimento é natural que tenhamos ótimas histórias para contar (alô colegas que fizeram parte dessa turma, e que estão aí no face, se tiverem alguma para contar, fiquem a vontade).

A que mais me marcou (e à toda aquela "geração" que trabalhou na Consolação naqueles tempos) é a do "louco do Copam"....rsss...dou risada só de lembrar!!!

O Copam, para quem não é de São Paulo, é um prédio muito famoso e emblemático de São Paulo, inaugurado em 1966.  É um símbolo da arquitetura moderna brasileira, cujo projeto foi concebido pelo arquiteto Oscar Niemeyer, em 1954, por ocasião do Quarto Centenário da cidade de São Paulo, mas iniciado só em 1957, após algumas alterações, e finalizado com a ajuda de Carlos Alberto Cerqueira Lemos. 

E fica a poucos metros da Loja da VARIG na Rua da Consolação. 

Tinha um morador de lá que era assíduo frequentador da loja. Religiosamente, uma vez por semana, ele aparecia para comprar uma passagem para Porto Alegre. E daí? O que tinha de tão especial?

Bom, esse morador "especial" do Copam era, digamos assim, meio maluquinho...rsss....até aparentava ser um sujeito normal, mas era realmente meio estranho....quando ele aparecia na porta da loja, todos os funcionários arregalavam os olhos e quem não estivesse atendendo "corria" para se "esconder"...rsss...apenas o "corajoso" colega Sebastião ficava e enfrentava a fera. Com seus cabelos brancos e jeito calmo, dócil e paciente, ele era a pessoa certa para atender o "louco do Copam"!

O sujeito sempre comprava a passagem semanal a vista, em dinheiro vivo...ok, ok, mas isso não é nada demais, é? Não! Demais era o seu comportamento! Quieto, de cara fechada, ficava ali, impávido...mas se algo desse errado no atendimento, seja uma pequena demora na emissão da passagem, seja algum problema na reserva do voo, ou qualquer outro imprevisto (por menor que fosse), ele se transformava...enchia a boca...e...e...cuspia...sim, cuspia no pobre do Sebastião (ou do outro coitado que estivesse atendendo ele)!!!! Quantas e quantas vezes essa cena não se repetiu....rsss...não seria exagero dizer que a parede da loja tinha de ser lavada mensalmente...kkk....por sorte, eu mesmo nunca o atendi, então não fui "batizado" com sua raiva...rssss

O maior perrengue que enfrentei foi, ironia do destino, no meu último dia na loja. Já de malas prontas para subir ao quinto andar, onde assumiria meu novo cargo na Gerência de Vendas da Empresa, apertei a campainha e chamei o próximo cliente....um "amor de pessoa"...me (des)tratou como um nada, me insultou o tempo todo, com aquele olhar esnobe de superioridade....só porque queria alterar seu bilhete e a tarifa exigia pagamento de multa....fui atrás de "ajuda" na salinha da gerência..."Gouveia, diz que eu posso abonar essa multa, por favor" rssss....mas claro que não podia, estava na regra da tarifa, estava no sistema, nada feito...foi tanta "porrada" que tomei naquele dia que até hoje fico achando que era um ator contratado pelos meus "amigos" da loja, para uma espécie de "despedida inesquecível"...hahaha.

Perrengues, aliás, eram comuns.....faziam parte do jogo....e era o que tornava nosso dia sempre muito emocionante. Quando o sistema caía e a fila de clientes começava a dar voltas...que desespero...rss..e você tinha de emitir as passagens na mão (aqui agradeço um de meus grandes mestres, quem me ensinou muito durante o curso de formação...valeu Valmir!!!)! Ou quando você tinha de resolver casos escabrosos, como complicadíssimas reitinerações e reemisões de passagem, ou viagens de volta ao mundo, ou, ou, ou....muitos outros "ous"...

Quantas passagens aéreas eu não tive de emitir "à mão", quando o sistema caía. Aliás, não dá uma saudade dessa época, quando você saída da loja com a passagem na mão? Hoje você nem precisa mais ir na loja, e a passagem é um simples código...ah os bons e velhos tempos! Voar já foi muito mais charmoso!

Mas tinha também muito momento bacana (aliás, na maioria das vezes era assim). Quem trabalha ou já trabalhou diretamente com o público sabe, é muito bom ser elogiado ou simplesmente receber um sincero "muito obrigado" de quem você atendeu...e foram muitos...e quando chegava algum passageiro "famoso"? Acontecia frequentemente também. Tinha até uma salinha especial para atendê-los no mezanino. Me lembro de ter atendido o atleta e medalhista olímpico Joaquim Cruz...alguém se lembra dele?

O medalhista olímpico Joaquim Cruz e, ao fundo, a maquete do DC-10 que me encantava desde criança, sempre que eu passava em frente à loja da Consolação

Histórias engraçadas? Diversas também!

Verídicas? Hmmm....algumas certamente sim....outras, não sei não...rsss

O atendente está finalizando a reserva e pergunta à passageira se ela deseja que ele faça a reserva antecipada do assento, para seu voo. Ela prontamente responde de forma positiva, "sim, por favor". Ele então olha para o seu monitor (que naquela época parecia um caixote de tão grande), vasculha no mapa de assentos da aeronave e pergunta: "janela ou corredor?" E ela,  na mais doce inocência de passageira de primeira viagem, lhe responde: "janela não, estou indo para um casamento e não posso despentear o cabelo com o vento"..rsss

Na janela não, por favor....o que vai ser do meu penteado? rsss

Teve uma bem parecida...e é real, acreditem (ou não)! Ao oferecer a reserva de assento para o voo do seu passageiro, este diz ao atendente que prefere sentar junto à janela (aliás, tem um post meu falando sobre isso, confira clicando aqui). 

O atendente então, inocentemente e já acostumado com a linguagem "aeronáutica", responde "só tenho sobre a asa, pode ser?" ...e o passageiro, assustado e meio indignado, "não, claro....dentro do avião, por favor?"

Só tem lugar na asa, senhor! rsss

Outra....essa, eu que atendi....toco a campainha, chamo o próximo passageiro...ele mal se senta à minha frente e começa a tecer elogios à VARIG...e no final emenda..."eu só viajo com a VARIG...e sabe por que meu filho? porque o avião de vocês balança menos!" Hã (????)....hehehe

E o passageiro, também de primeira viagem, todo perdido? nunca voou, nunca esteve em um aeroporto...como faço? para onde vou? O atendente da loja, todo educado, tenta acalmar o cliente...."o senhor fique tranquilo, é muito simples...ao chegar ao aeroporto, procure pelo check-in da VARIG...e blá blá blá". E no dia da viagem, conforme orientado, o passageiro sai a procura...e procura...e procura...o balcão de check-in lá, à sua frente, e nada....ele segue procurando...pergunta para um, pergunta para outro. Mas ninguém sabe ajudá-lo....nenhuma das pessoas a quem ele perguntou conhecia...o tal do..."Chiquinho da VARIG"....rsssss

Será possível! Ninguém nesse aeroporto sabe informar
onde encontro o Chiquinho da VARIG!!! rs

E tem muitas outras...gente perguntando que tipo de roupa deve vestir para viajar de avião...ou se tem lugar para esquentar sua marmita a bordo...gente pedindo para atrasar um pouco o horário do voo pois justo naquela hora seu time estaria disputando a final do campeonato...e gente, muita gente, pedindo desconto...rsss. 

Dizem que aviação vicia e que quem trabalha na área uma vez, não consegue sair nunca mais. E é a mais pura verdade! Ela é apaixonante, não tem rotina...e vale muitas ótimas histórias para contar. Seja trabalhando em uma loja de passagens, ou em qualquer outro setor de uma companhia aérea!

Saudades de ti, minha querida VARIG!