A Maria Fumaça e o turismo levado a sério, em Guararema

16/03/2018

O turismo, sabemos, é muito mal-tratado no Brasil. Nunca se deu, por parte de governo algum, real atenção a este assunto ! E até por isso nosso país se mantém, há muitos anos, estagnado no cenário turístico mundial. 

E olha que tivemos Copa do Mundo e Jogos Olímpicos, e nem assim o país conseguiu dar um salto. 

Uma pena! o Brasil tem tanto potencial!

Mas há, sim, exceções que merecem ser destacadas. A pequena cidade de Guararema, no interior paulista, é um desses exemplos.

Foi meio que por acaso, buscando na Internet um passeio divertido para fazermos com nosso pequeno, que encontrei essa dica: o passeio de trem Maria Fumaça, em Guararema. E lá fomos nós em um final de semana no começo de 2017...e a primeira impressão da cidade foi ótima. Já logo na entrada, um belo monumento para dar as boas-vindas aos visitantes (trata-se de "Portal Origens de Guararema").

Seguimos, e antes de irmos à estação ferroviária, passeamos pela cidade...e mais boas impressões estavam à nossa espera! 

As atraentes pontes sobre o Rio Paraíba do Sul, os parques Recanto do Américo e "Ilha Grande", as igrejas Nossa Senhora D´Ajuda, São Bendito e Nossa Senhora da Escada...o "Centro Artesanal Dona Nenê"...ruas limpas, casinhas bonitinhas, ambiente tranquilo, típico do interior....

Não preciso dizer que logo nos encantamos pelo lugar. 

E nem seria preciso conhecer a principal atração local, o passeio turístico (e histórico) da Maria Fumaça, para saber que a gestão na cidade trata o turismo com seriedade. E certamente lucra com isso! 

Nosso Henry, na época com cerca de 1 ano e meio de idade, passeando em frente à Igreja Nossa Senhora da Escada, em Guararema (fevereiro de 2017)

No centro da cidade, passarelas, pontes e decks como este, junto ao rio,
são agradável local de lazer para moradores e visitantes.

Depois do agradável passeio pela cidade fomos à estação de trem, com sua bonita (e muito bem conservada) fachada, em tons de bordô e ocre. De acordo com o site da prefeitura local, ela foi palco do transporte de cargas e pessoas entre 1876 e a década de 1970. É impossível chegar no local e não se sentir transportado para o passado. 

Estação de trem de Guauarema

Bem perto dali, seguindo por um estreito caminho de terra acompanhando os trilhos, chega-se ao pontilhão, que chama atenção por sua grandiosidade e arquitetura de origem inglesa. Local super indicado para tirar ótimas fotos, inclusive sentado sobre os trilhos...

O pontilhão e o Henry sentado nos trilhos. 

De volta à estação, não deixe de apreciar as peças históricas que ficam em exposição. Note também a beleza da construção e o cuidado com os detalhes, seja nos jardins como nas suas dependências internas. Troque seu bilhete e dirija-se à plataforma, onde a "velha senhora" aguarda seus passageiros. 

Painel no banheiro da estação de Guararema e, mais abaixo,
o bilhete de passagem e detalhes deste trem histórico.

Antes mesmo de entrar no vagão, é impossível resistir a uma passada na frente da locomotiva, que já está soltando fumaça pela chaminé. Trata-se de um histórico modelo 353, a maior locomotiva movida a vapor em operação no país! 

Ela pertencia à Estrada de Ferro Central do Brasil e fazia o trajeto entre São Paulo e Rio de Janeiro...hoje, dignamente restaurada e preservada, possibilita um resgate histórico e cultural único, graças à uma ação conjunta da Prefeitura, ótgãos públicos federais, iniciativa privada e entidade de preservação da memória ferroviária.

Embarcamos nos vagões de madeira e mais uma vez foi impossível não se sentir dentro de um filme antigo, embora um pouco desconfortável com o calor que fazia ( o ar condicionado, infelizmente, não fazia parte dos comboios naqueles tempos...rsss)

O trajeto turístico é relativamente curto, dura cerca de meia-hora até a Estação de Luís Carlos, a cerca de 6 km de distância. Mas o passeio dura mais, pois inclui um período para conhecer a vila de mesmo nome e o retorno. Eu diria que a duração é ideal, menos seria uma pena, mais poderia ser cansativo.

Enquanto a "Velha Senhora" se move lentamente sobre os trilhos, volta e meia ao som estridente do apito (cuidado para não se assustar, pois o barulho é alto, muito alto), paisagens bucólicas da região vão se sucedendo nas suas janelas, agora abertas ao vento - embora a velocidade reduzida não chegue a produzir grandes ventanias...rsss.

Aliás, cabe aqui um parêntesis, olha que bacana: na programação do passeio regular, um dia na semana é dedicado ao passeio gratuito destinado às escolas municipais, escolas estaduais, participantes de programas sociais, melhor idade e entre outros grupos do município.

É de tirar o chapéu! 

E o passeio segue, gostoso como ele só...no nosso vagão, um quarteto toca clássicos da música caipira, tornando a experiência ainda mais encantadora....Sou caipira pirapora nossa Senhora de Aparecida, ilumina a mina escura e funda o trem da minha vida...

Depois de atravessar alguns vales e rios, chegamos à vila de Luis Carlos, outra surpresa extremamente positiva.

A medida que o trem vai perdendo velocidade, as casinhas coloridas do local vão dando as boas-vindas. A pequena estação, igualmente bem conservada, data de 1914 (o nome do vilarejo e sua estação derivam do Dr. Luis Carlos da Fonseca Monteiro de Barros, chefe do 2º Distrito da Central do Brasil). Ao desembarcar você tem a oportunidade de apreciar, agora com mais calma, a bela locomotiva, que fica parada lá por cerca de 1 hora e 15 minutos, tempo que você tem para conhecer Luís Carlos.

E Luís Carlos é outro ponto a ser elogiado no cuidado que se dá ao turismo na região. É uma verdadeira vila cenográfica que está lá para compor de forma muito feliz o cenário desta viagem ao tempo. Depois de passar anos abandonada e com suas construções históricas depredadas, a vila foi revitalizada e encontra-se em excelente estado nos dias de hoje (22 construções tiveram sua fachada e o interior recuperados).

O que chama a atenção são suas casinhas de cores variadas, abrigando um pequeno comércio de artesanato e souveniers, além de restaurantes. Tudo sob o olhar da Igreja de São Lourenço, no centro, junto à uma grande praça - onde um simpático carrinho de pipoca, daqueles de antigamente, parece estar estrategicamente colocado para dar um ar ainda mais nostálgico ao local.

O colorido do distrito de Luis Carlos.

O carrinho de pipoca, o enorme mural e as janelas ornamentadas
fazem parte deste lindo cenário.

Depois de andar pelo vilarejo e comer algo, é hora de embarcar novamente, para o percurso de retorno a Guararema. Mais uma chance de apreciar o gentil sacolejo e as paisagens rurais que se descortinam. 

Ah como seria bom neste país se mais iniciativas sérias, criativas e honestas como esta fossem seguidas. Infelizmente não é o caso, elas são ainda meras exceções. De qualquer forma, fica a dica. Guararema está localizada perto de São Paulo, a cerca de uma hora de carro por ótimas estradas. 

Vá, viva esta experiência!

Quer saber mais? Acesse o site oficial do passeio
https://www.tremdeguararema.com.br/informacoes/