A Amsterdã que me cativou...e a Amsterdã que me decepcionou

14/06/2018

Amsterdã é um daqueles clássicos destinos europeus que todos sonhamos em visitar. E embora eu prefira as paisagens e tranquilidade do campo, inseri a cidade no nosso roteiro recente pelos Países Baixos. E não tinha como evitá-la....ir à Holanda e não ver Amsterdã é mais ou menos como ir à Roma e não ver o papa...rs

Foram apenas 2 dias e meio lá, o que para muitos é insuficiente em se tratando de um destino com tantas atrações. Para nós foi mais que suficiente! Até porque por estarmos viajando com criança pequena (e bem sapeca...rsss), tivemos de riscar alguns atrativos do mapa, sobretudo os famosos museus de Amsterdã. Paciência, faz parte do jogo. Nos ajustamos e adaptamos o tour para que pudéssemos fazê-lo com o pequeno Henry, sem que ele se aborrecesse.

Nos hospedamos bem na região central, em frente ao Herengracht, que junto ao Singel, Keizersgracht e o Princengracht formam os mais famosos canais da cidade. O hotel, altamente recomendável, chama-se Ambassade. Da janela do quarto víamos as típicas casinhas e o vai e vem dos barcos pelas águas do Herengrcht. Ponto positivo!

Vista da janela e, logo abaixo, quarto do Hotel Ambassade

Concentramos nossos passeios justamente pela região destes canais, saindo sem rumo definido. E foram passeios muito agradáveis, ainda mais com o improvável sol, céu azul e até calor que fazia nesta quase sempre fria e chuvosa Amsterdã!

Andando sem rumo e sem pressa, íamos apreciando a beleza ímpar da arquitetura local, com seu sem-fim de casinhas em preto, branco, bege e marrom, e formato único. Esta é, sem dúvida, a parte da cidade que mais me encantou. 

Passeio pelos canais ao anoitecer....altamente recomendado!

Talvez o ideal seja fazer o passeio de bicicleta, veículo mais utilizado pelos locais em seus deslocamentos. Mas com o Henry junto, não foi viável...e fizemos a pé mesmo. O passeio de barco, outro ícone do turismo local, é também muito recomendado e elogiado. Nós tentamos convencer o pequeno, mas infelizmente ele não quis ir de jeito nenhum, e ficamos na vontade mesmo.

Fez falta? Não tanto...como disse antes, o passeio a pé pelas ruas próximas aos canais é tão encantador que já nos satisfez plenamente.

Henry não quis, então acabamos não fazendo o cruzeiro pelos canais. Pena!

Foi numa dessas andanças que encontramos, no final do canal Herengracht, quase no ponto onde ele se encontra com o canal Brouwersgracht, um pequeno parquinho público. E essa acabou sendo a atração preferida do Henry na cidade...nossa, como ele gostou de lá. Tivemos de voltar mais algumas vezes para satisfazê-lo ...e tirá-lo de lá era sempre uma luta...rsss. 

O parquinho em si não tem nada de tão especial....é pequeno, fica à sombra de grandes árvores em um local tranquilo. Tem um escorregador, uma caixa de areia e uma ou outra atividade mais...o que mais chamou minha atenção nele é que há diversos brinquedos a disposição dos pequenos visitantes....carrinhos, bonecas, bicicletas...não eram novos, claro (devem ser objeto de doação dos moradores), mas fazem a festa da criançada. Os brinquedos pertencem ao parque e ficam lá, ninguém leva para casa, por exemplo. Se fosse no Brasil...

País civilizado é outra coisa, né não?


Dos inúmeros brinquedos disponíveis no parquinho público, esse carrinho branco foi o que mais cativou o Henry.

Voltando aos canais, gostaria de compartilhar alguns pontos que são mais famosos e fotogênicos - aqueles que costumam sair nas fotos promocionais da cidade. Se puder, passe por eles de dia e também a noite, quando as pontes ficam todas iluminadas, é lindo! 

O primeiro ponto fica no cruzamento do canal Keizersgracht com o canal Leliegracht ; outro fica no cruzamento do Keizersgracht com o canal Leidsegracht ; e o terceiro, o que achei o mais bonito, fica no cruzamento dos canais Prinsengracht e Brouwersgracht. Fica a dica!

Cruzamento do Keizersgracht com o Leidsegracht

Cruzamento do Prinsegracht com o Brouwersgracht

Outro lugar muito bacana para visitar é o Begijnhof, que parece ter parado no tempo, no coração da cidade. Fundando na idade média, esse pequeno "bairro" era o local de moradia das beguinas, mulheres que viviam reclusas dedicando suas vidas às "boas obras" (sem os votos monásticos). Ainda parcialmente habitado, o pequeno espaço fica "escondido" por trás de um portão que passa despercebido da maioria dos pedestres. No seu interior, esconde um ambiente de muita paz, com jardim, lindas casinhas e uma pequena igreja. 

Begijnhof 

Partindo para um local completamente antagônico ao Begijnhof chegamos ao Bairro da Luz Vermelha (De Wallen - Red Light District). É outro ponto da cidade que tem de ser visitado, mesmo que na companhia de sua esposa e de seu filho pequeno...rsss...mas neste caso, vá de dia, é mais recomendável...rssss....o bairro tem, como em toda região central de Amsterdã, uma beleza arquitetônica ímpar...e, claro, o que o torna famoso e interessante...as janelas onde ficam "expostas" as prostitutas. Se estão disponíveis, cortinas abertas...se estão "trabalhando", janelas fechadas. Se for lá a turismo fica uma dica: não tire fotos das meninas!!! Dizem que pode dar a maior dor de cabeça...melhor evitar, né? rsss

Ainda bem que o Henry dormiu bem na hora que visitamos
o Red Light District...rsss...mais abaixo, fotos da região.

Quer sair um pouco da região central e passear em um parque? Vá ao Vondelpark, o maior da cidade. É enorme e em meio ao verde encontramos, adivinha, um parquinho...que fez novamente a festa do Henry!

Henry no parque e, mais abaixo, simpática lojinha com patos de borracha.

Por isso tudo e também pelas lojinhas, a feirinha das flores, a grande opção de lugares para comer...Amsterdã nos cativou!

Mas tem o outro lado também...tem a Amsterdã que nos decepcionou, e não vou "esconder" seus defeitos.

Achei a cidade muito suja (nada como as cidades brasileiras, claro, mas suja demais para o padrão europeu)! Não passou um aspecto muito legal não...além disso, sentimos em diversas áreas um forte odor de maconha, o que nos incomodou bastante (tá certo, a maconha é liberada lá, sabemos...mas o cheiro fica muito forte em determinadas partes da cidade e não sou obrigado a "fumar" por tabela!). Ponto negativo!

Mas não foram esses os maiores problemas. O que mais nos incomodou em Amsterdã (e pelo que li em matérias bem recentes, incomoda muito também os moradores da cidade), é a incrível quantidade de turistas. A cidade fica superlotada, um inferno. Na região mais central então, próxima à Praça Dam e à estação ferroviária, você praticamente não consegue andar. Juro, achei que nunca veria algo parecido com o que presenciei em Veneza, mas Amsterdã estava igual, ou até pior....lotada demais!!!! 

Com suas virtudes e defeitos Amsterdã vale sim muito a pena. Mas por favor não se concentre apenas nela...se vai à Holanda, reserva a maior parte dos dias para conhecer seu interior, ainda mais autêntico...e calmo...rssss